Felicidade Corporativa: a nova era!

O sucesso profissional já está batido quando pensamos apenas no desempenho do colaborador em uma empresa. São milhares de pessoas que estão insatisfeitas com seus trabalhos e que buscam melhores condições para se sentirem valorizadas.

Pensar na cultura da felicidade é a mudança da nova era, na qual o estímulo e engajamento dos funcionários são os principais fatores. Afinal, as relações acontecem sempre de pessoas para pessoas.

Cultura da Felicidade

A felicidade potencializa a performance de qualquer ser humano. Dentro de uma empresa isso acontece também quando o funcionário é incentivado e desafiado a desenvolver cada vez mais suas habilidades, e isso impacta diretamente na imagem e nos resultados de uma empresa.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Harvard, funcionários felizes têm produtividade alavancada em 31%, têm 37% mais potencial de vendas e triplicam sua criatividade no trabalho em relação àqueles que se sentem insatisfeitos em seus cargos.

De acordo com relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), a Dinamarca lidera o ranking referente às pessoas realizadas no ambiente de trabalho. Dentre as principais leis trabalhistas do país, destaca-se o expediente reduzido e aumento do período de férias, a autonomia do funcionário e seguro-desemprego de 90% do salário. Ações visando a educação com participação de sindicatos e políticas corporativas também entram em pauta.

Lucro da felicidade

Essa é uma equação de diversos aspectos relacionados ao bem-estar do profissional. A felicidade é sinônimo de melhor desempenho e produtividade. O aumento do lucro e uma boa imagem frente ao consumidor final é impulsionada por funcionários felizes, motivados e realizados profissionalmente.

Ela pode ser percebida de três formas, segundo especialistas em pesquisas nesta área. Primeiro, quando os funcionários falam bem da empresa; segundo, quando desejam ficar na organização e terceiro, quando estão dispostos a fazer esforços adicionais em prol da empresa.

Habilidades humanas

O avanço da tecnologia sempre fez muitos profissionais ficarem com o pé atrás. A evolução das técnicas provoca uma verdadeira dança das cadeiras, em que trabalhos são extintos e novas funções são criadas.

O que estará em alta são habilidades cognitivas avançadas, com crescimento de 8%; habilidades sociais e emocionais, com aumento de 24%, e, por fim competências tecnológicas, com alta de 73%.

Criatividade, solução de problemas de forma inovadora, execução de atividades sob pressão e tomada de decisão são skills que ainda estão longe de serem desempenhadas por computadores.

Processo de humanização

Promover essas relações é uma necessidade dessa nova era, em que a humanização é a pauta da vez.

As empresas precisam mudar suas culturas e criar ações que contribuam para o desenvolvimento de seus colaboradores e do seu próprio negócio.

Olhar as pessoas além do conceito de serem recursos humanos, para alavancar a empresa, é a Felicidade Corporativa, na qual o engajamento tem sua missão de melhorar a organização e a relação entre seus colaboradores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *