Qual Modelo de Gestão de Pessoas sua organização pratica ?

Nesta semana resolvemos lançar esta pergunta pois acreditamos que a reflexão é mais do que adequada … ela é absolutamente necessária para todos os gestores que atuam na área de recursos humanos, principalmente àqueles de nível estratégico.

Quando pensamos em um “modelo de gestão”, estamos nos referindo a um conjunto estruturado de práticas, técnicas, tecnologias ou metodologias que irão compor o “modus operandi” através do qual a organização irá alocar e utilizar os recursos disponíveis.

Existem diversos modelos de gestão, e a maioria possui uma tratativa global para os recursos, ou seja, procura estabelecer conceitos para gestão financeira, estratégica, humana, logística, etc.

Agora vamos trazer uma abordagem especializada, voltada exclusivamente ao recurso mais importante e de difícil administração de qualquer organização: Pessoas.

Percebam que trouxemos aqui duas qualificações que justificam plenamente a preocupação com a expertise de gerenciamento aplicada. Primeiro afirmamos estar lidando com o recurso mais importante (e isto não é mero exercício de repetição doutrinária de gurus da área, nem replicação de ideais humanistas), estamos pautando de forma objetiva que aquilo de chamamos de “recurso humano”, “capital humano”, “gente”, “colaboradores” ou qualquer outra alcunha é indiscutivelmente o insumo fundamental para obtenção de resultados.

Essa afirmação é indiscutível, basta engendrarmos que qualquer organização (pública ou privada) nada mais é do que uma criação social humana, onde esforços (trabalho) são aplicados para obtenção de fins comuns em um mercado onde existe demanda. Seja para geração de produtos ou serviços, instituições sempre serão feitas essencialmente de gente, criadas, mantidas e mesmo extintas por elas. Desta forma, “pessoas” sempre serão o recurso fundamental, podemos recriar das cinzas uma organização falida se tivermos gente, mas não teremos qualquer perspectiva em uma instituição milionária que se seja “descapitalizada” de pessoas …

Quanto qualificação de ser o recurso de mais difícil administração, basta olharmos brevemente através da história da psicologia para aventarmos a variedade de teorias e abordagens criadas e aprimoradas na tentativa de entender de forma científica e objetiva a mente humana, sua personalidade, comportamentos, etc. A cada desafio superado novos são criados, a cada resposta obtida uma série de novas perguntas são feitas …

Portanto, um recurso tão desafiador e de tamanha importância precisa entrar na escala máxima de prioridade na gestão de toda organização.

Neste ponto retornamos à pergunta inicial, qual seu modelo de gestão de pessoas ?

O que vemos muitas vezes junto aos departamentos encarregados de gerenciar o recurso humano é uma coleção de processos desconexos, que existem por necessidades operacionais pontuais (como R&S por exemplo) ou devido à novas tendências aplicadas em grandes corporações (poderíamos exemplificar através da gestão da cultura), que geram ações internas para as quais os gestores por vezes não são capazes de compreender quanto a sua real importância, nem como direcionar os resultados de forma construtiva e voltada aos interesses institucionais.

Uma palavra de ordem que precisamos inserir aqui é: “CONTEXTO”.

Sim, pois uma série de ações disparadas sem o correto planejamento é como o estouro de uma boiada que corre descontrolada, direcionada pelos paredões das montanhas do território e não por uma linha de comando definida.

Contextualizar significa estabelecer: 1) Em qual cenário a organização está inserida ? 2) Quais as diretrizes estratégicas formuladas para lidar com este cenário ? Somente então poderemos definir ações para intervenção e direcionamento dos aspectos humanos, sejam culturais, comportamentais ou de performance.

Neste ponto um bom modelo de gestão de pessoas irá fornecer o conjunto de métodos e ferramentas necessários para prover adequadamente este direcionamento, de forma contextualizada e alinhada.

A área de RH deve ser “causa” e não “consequência”.

Escrevemos na semana passada um artigo abordando especificamente o papel do RH no planejamento estratégico das organizações, o qual convidamos todos a ler.

Nós da Perfix tivemos o prazer de desenvolver ao longo de anos de trabalho um modelo estruturado de gerenciamento de pessoas, pautado nas melhores práticas de mercado e focado totalmente nos aspectos estratégicos do RH, tornando a área protagonista da maximização de resultados e na construção de sustentabilidade para os negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *